Friday, September 28, 2007

Yet another sunny day. This must surely rank as the best Galician September in recorded history. Although we did have a few drops of rain during Sunday night, they say.

Returning briefly to the issue of personal abuse in Spain, specifically to the conundrum of how the Spanish can be simultaneously both respectful/noble and rude towards each other. . . It’s a feature of Spanish society that most people never move far away from their place of birth and, therefore, from people they’ve known all their lives. I guess, then, it’s possible that – just as in Liverpool – the culture thrives on friends insulting each other. But, like everything else I write, this is just what it says on the label – a thought from Galicia. Incidentally, a Spanish friend told me last night of a highly popular program on Channel 5 here – Escenas de Matrimonio - which showcases rudeness between partners. So, essential viewing for those seriously interested in this subject. I dipped into it last night and can confirm it’s premised on exaggeration of reality.

I’d guess it’s not compulsory for town halls across the UK to fly the Union Jack. And I imagine that, if it were, there might just be a few problems in Scotland and Wales. Though probably not Northern Ireland. As for flying the flag in one’s own garden, I used to think this was actually illegal but this may not be true now. I mention all this only as background to a rumbling dispute here as to whether town halls across Spain – especially in her troublesome ‘nationalist’ regions – should be forced to obey the law obliging them to sport the Spanish flag on their poles. The government shows no sign of doing this and the right-wing opposition is trying to take political advantage of its stance, especially among those who fear it’s evidence of Spain’s slow break-up. On this, I’m sympathetic to President Zapatero. It would, I suppose, be better to scrap the law than see it being ignored but I doubt this is politically feasible either. Masterful inactivity selects itself.

Talking of nationalist regions – A reader has kindly provided the text of a speech by a management consultant which describes what he calls the Celtic Style of Management. If your Spanish is up to it, this makes for an entertaining read. I hadn’t known that amongst other things we should thank the Celts for is the invention of soap. I do know it’s an irony that the man who most exemplifies the approach described – the founder of Zara - was not born and raised in Celtic Galicia but in non-Celtic Castile. Which should make him a colonising imperialist to some Galician Nationalists.

Sky News yesterday gave us as a major item a report that David Beckham was returning to the UK because his father was ill. Could there be anything more indicative of its distorted values? Maybe Rupert Murdoch has shares in the company running the car parks at Heathrow airport.

To end on a positive note – whatever postures the respective national media have adopted, it’s been encouraging to see British letter writers criticising Lewis Hamilton and their Spanish counterparts having a go at Fernando Alonso. Perhaps it’s a sane world after all.

Then again, Google's Blogger is back to giving me instructions/advice in a mixture of German and English.

13 comments:

Anonymous said...

Talking of celtics regions:
"Galicia, Irlanda, o 'Tigre' celta, os cabalos e o ourizo-cacho"
http://tinyurl.com/2ftqvq

Anonymous said...

Galicians often seem to claim a unique Celtic heritage within Spain. However, Wikipedia says that Celts settled in much of Spain and not just Galicia. In other words the fact that the Zara boss is born outside of Galicia may not make him any less or more Celtic. You can probably say the same thing about claim to Basque ancestory where the majority of people in Spain probably have some Basque ancestory as they do in the British isles.

I heard in a BBC documentary that many parts of Britain that claim to have celtic roots may not actually have significant Celtic genetic ancestory but instead merely took on celtic commercial tactics and possibly some linguistic traits.

Colin said...

Yes, I agree.

My main beef is with those Galicians who claim this region-cum-nation is unique in its Celticness and that somehow Celticness totally survived the imposition of at least two but possibly 3 later cultures. And, therefore, Galicia is very different from anywhere else in Spain. Effectively, more like Hibernia than Iberia. This, I don't buy.

Duardón de Albaredo said...

And the question is, Colin, would you (and a lot of people along with you) be so concerned if people from Tuscany would be saying "we are somehow Etruscans"? The lot of you (both deniers and Galician "Celtic fanatics") are politically and racially motivated, that's all. Clear like a sunny day ;)

As for the 3 cultures, I guess you are talking about the Roman, German and Arab. I'd rather say the last one is quite irrelevant in our culture. The Roman is evident. The German as well, since it modified the socio-economic structure of the country. Oh, I dared say "the Arab influence was not that big here". Mea Culpa. I forgot we are of "Arab stock". I wonder what this means. And I wonder why serious historians do not talk about "blood"... maybe because that is pseudo-scientific history. Maybe because it's plainly racism... The Nazi female wolf is on heat again (the hysteric Islamophobia in the West is indeed a fact). Anyone truly thought it was dead for good? Naive people ;)

Well, I am lying, I know what this means: the racist and imperialist myth of the "Big Rapist". That's what savages do, don't they? And of course Romans & Germans are not in that category ;)

And you forgot another important "culture". The Amerindian culture... yes, they were conquered, yes they were influenced by Spain, but what about the reciprocity? Didn't we get many things from them (and I am not talking about what our ancestor robbed)?

Oh, and we forgot the Anglo-Saxon culture too.

Not to mention the Spanish culture as well...

Colin said...

Duardón

Could you do us all a big favour and explain what you mean by 'racist' and 'racially motivated".

And could you remind me who claimed the Spanish were all of 'Arab stock". Or "blood", if you prefer.

Do you really believe it was necessary for the Moors/Arabs to have colonised Galicia as extensively and for as long as they did elsewhere in Iberia for there to be any influence on Galicia?

If so, I guess you must believe aspects of their culture which were the most enlightened of their time in Europe must have bypassed Galicia completely.

Anonymous said...

Coliño, you seem to have forgotten about the massive emigration 1850-1950, not just from Galicia, but from the rest of the country, peninsula & insular. just thinking...

Anonymous said...

In reference to this comment, sorry...

"It’s a feature of Spanish society that most people never move far away from their place of birth and, therefore, from people they’ve known all their lives. I guess, then, it’s possible that – just as in Liverpool – the culture thrives on friends insulting each other. But, like everything else I write, this is just what it says on the label – a thought from Galicia."

Duardón de Albaredo said...

Colin, I am talking about an "impact" in our culture. The Romans "gave" us a language. The Germans changed the structure of the society. As for the Spanish, they managed to make many Galicians talk castillian, etc. But we are still not Romans, Germans or Spanish. We have to be something else, I guess. We mentioned everyone except ourselves, the Galicians. If the Classic authors said Celtic tribes lived in Galicia (our ancestors) I believe them. Why not? Then there has to be some celtic culture remaining, don't you think? Especially when you think that things haven't changed a lot in Galicia for the last couple of thousand years (luckily now poverty and misery are a past history).

I'll tell you something which may surprise you. Did you know that nowadays peasants (at least in my part of the mountain of Lugo) STILL know where there were castros (pre-roman fortified villages)? They exactly know where they are. And no, you cannot see the ruins. You should have to dig to do so. But somehow... the people still remember. In other words, there is a continuity (despite the Romans, Germans and Spanish). Are you sure this is normal? You think a lot of people in England, Russia, etc. would tell "there you have an archaelogical site"? And we are talking about real sites, not "legendary tales". It's common sense: this is possible only because the people did not forget, ergo, there has to be another "substratum", which is not Roman, etc., etc. Now please try to find such examples in Castilla, Extremadura, Andalucía, Catalonia (or anywhere you want). Remember, we are talking about almost 2,000 years.

Anyway, as for your post (sorry if I have been digressing) you are talking about the old Greco-Latin works which almost disappeared in Europe (and many other things). Luckily the Arabs appreciated them and these masterpieces came back to Europe again. They had arrived to the Middle East (from Europe) with Alexander (the Hellenistic thing) and then with the Romans.

That is not an impact in our "particular" culture: I am talking about the masses of Galicians, "la gente de a pie".

Yes, the Chinese gave us the compass and powder, yet scholars don't say "Chinese deeply influenced the Galicians (or the Polish for that matter)". These are the classic worldwide contributions. Inferior civilizations take "things" from the superior ones. Which is the case, the Arabs being the "superior civilization".

Think about this clear and simple example: the Japanese. To become an industrial power, "modern" state they were forced to copy everything (when they started from zero that is). And no one has ever said "the Japanese have/are a British/French/German culture". Culture, techonolgy, science are somewhat international, neutral (so to speak), you may avoid them at your own risk.

P.S.:
anyway, I think we basically agree on this issue (from different perspectives though). For all I care, the Celtic thing (in Galicia) should only be an academic issue. When it is not, then it is boring as hell.

Anonymous said...

BEGIN YOUR JOURNEY
http://www7.nationalgeographic.com/ngm/0603/sights_n_sounds/

Colin said...

I am staggered that people who clearly speak excellent English can't seem to understand my basic points which are . . . .

Yes, there were Celts in Galicia, before the Romans, the Visigoths and and a few Moors.

No, Galicia is not more Celtic than any other part of Europe settled by the Celts, e. g. Asturias and Cantabria, and

No, Galicia is not as Celtic as places which retain a Celtic language. Ireland and Wales, for example.


I am also staggered by the suggestion that I don't understand anything about Spain and Galicia because I don't speak Spanish and/or Gallego. How on earth do they think I get my information from the national and local media? Using Google's automatic translation program??

Ah, well. On with another day.

LUG said...

Today is another day
Galiza, a terra dos Celtas

O nome da Galiza , como os nomes Galés, Galia, Galiza, Galos, Galatia, Galates, Gaélico, Gaeles, Galego, Galaico ... têm todos a raiz Gal- que o povo romano usava para nomear a um povo indo-europeu da Europa central, os Celtas. Os Celtas tinham vários linguagens semelhantes e eram uma variação duma linguagem comum o velho goidelico : o Gaélico os gaélicos - irlandeses e escoceses - , o Galaico os galegos, o Galés os galeses, o Galo os galos, ... Todos esses povos tinham a mesma religião druida, a mesma cultura céltiga . Os gregos cos conhecer os primeiros, adiante dos romanos, os nomear keltoi ( escondidos, longe, ... ), palavra que latinizada dou origem às palavras Celta e Céltigo. Da sua origem etimológica o nome de Galegos , cos galegos levam, quer dizer Celtas.

Nas primeiras referências aos primeiros moradores históricos da Galiza feitas pelos historiadores gregos já falar dos Celtas : Herodoto , em 425 a.C., nas suas Historias, livro 2, diz : ''''Os Celtas ficam mais ala das Colunas de Hércules, perto dos Cinetos ( no Algarve de hoje, no sul de Portugal ) que moram ao mais Oeste de todos os povos da Europa'''' . Uma clara referência a Galiza alem do Douro, ao norte, ao Finisterre Céltigo.

Estrabo no século I a.C. , na sua Geogrefia, já fala na sua descrição da Galiza, das tribos Keltoi, dos Artabros, ... Hoje se acham na Galiza nomes da toponímia, eidos, rios, rias, montes, ... que ainda levam, quase na forma original do goidélico Galaico, os nomes céltigos que os devanceiros dos galegos de hoje deram-lhe. E seria possível , a partir diste milheiro de informação muito bem conservada nos nomes galegos da Galiza, reconstruir um pouco da língua Galaica, como os franceses fizeram co Galo.

Eidos na Galiza co nome Céltigos ha vários, ... - perto de Ortigueira, ao Norte de Arzua, ao Norte de Sarria , ... - , e são a forma latina que fica dos povos keltoi - celtigos - da Galiza do tempo de Herodoto.

Mas do que eu quero falar é da origem do nome -galegos- , da deusa-nai dos celtas goidélicos Cal-leach e do primeiro nome histórico Cal-leac-ia , da terra conhecida hoje pelo nome galego da Galiza.

Em duas inscrições achadas em Sobreira, perto do Porto, aparece a versão latinizada do nome da deusa-nai, Calleac ( galeg ), como - Calaic-ia - . O que e uma confirmação do grande respeito que os celtas galegos tinham para a deusa-nai dos Celtas e a muita importância que esta deusa céltiga tem.

Hoje a mulher deusa , a trindade céltiga : Calec-a , Brig-a e Baad-e , respectivamente a deusa-nai, a deusa da fertilidade e a deusa da guerra, que como afirmam os druidas é uma só pessoa, ideia levada ao cristianismo pelo galego Priscilam, se acha lembrada na Galiza pelo culto importante, e sem igual noutro povo coa excepção da Irlanda e da Bretanha, no culto a Virgem. Não ha um cacho de terra galega que não lembre a deusa-nai baixo a forma da Virgem.

A testemunha da religião e dos deuses e deusas céltigas

Os povos Celtas, ainda hoje, são povos que têm um fundo sentimento da religião, para quem as coisas naturais e sobrenaturais se misturam muito fácil. Galiza, o povo galego, fica hoje como testemunha dista profunda religiosidade dos Celtas , como também outros povos céltigos Eire -Irlanda- e Breizh -Bretanha- , das que também poder dizer ca religião dirigir toda a inteira vida das pessoas . Do tempo das origens comuns dos Celtas na Europa central, todos os diferentes povos Celtas guardar os deuses e deusas antigos e comuns , termos o mesmo panteom. Ainda hoje achar-se na tradição e na toponímia dos sete países Celtas, Eire, Galiza, Breizh, Kernow, Cymru, Mannin e Alba , nomes com referências aos deuses comuns : Briga, Lugo, Baade, Bel, Lir, .... que testemunham dos devanceiros comuns , dos Celtas.

As diferentes tribos dos povos Celtas tinham cada um o seus principais deuses.

* Na Corunha ( Brigantia ) a deusa Celta Briga, a deusa da fertilidade, ....
* Em Lugo e no Norte-leste de Lugo na tribo dos Lugantes ( hoje conservado sobor o nome latinizado dos Lugones ), o deus Celta Lugo, o deus da colheita, ....
* Na ria de Lires, ala perto do Promontorium Celticum, no Fisterra, onde se olha muito bem , ao solpor, deitar-se o Sol no Atlântico, o deus Lir, o deus da mar, ...
* O deus Bel, em Ponte Vedra , e em Redondela cos Maios e as Penlas; Belante, Belmil, ...são vilas galegas que ainda hoje testemunham com o seu nome goidelico celta, do deus da Luz, que faz medrar a semente ....
* O deus Cerne , o deus das fragas, dos animais e dos mortos , na zona de Cervantes, dos Ancares, ...
* Baade, a deusa da guerra, em muitos eidos da Galiza, Baa, Babe, Bade, ....
* A deusa-nai Cal-leach , que dou origem ao nome Galegos, da que ha muitas vilas com esse nome na Galiza , ...

E muitos outros, tudo testemunha da funda religiosidade dos celtas e da religião druida da Galiza.

Como veremos mais adiante o nome - Lugo - ha em relação co nome latino - Lucus - so a semelhança das palavras e da fonética mas não a origem. A justificação pode ser inferida da maneira de nomear os eidos na Galiza como Braca Augusta ( Braga ) , Asturica Augusta ( Astorga ) , ... onde o nome Augustus e ajuntado a um nome local, Céltigo; dos nomes das tribos e eidos da zona, Lugones, os adoradores do deus céltigo Lugo, moravam na zona e este nome aparece em uma tessera de hospitalidade na zona do Caurel ... ; da maneira romana de usar o nome dos deuses dos povos para nomea-los; e da regra do troco fonético da -g- galega ou galaica pela -c- latina, fenómeno bem documentado como Braca ( Latim ), Braga ( Galaico ) ; Calaic-ia ( Latim, forma latinizada duma palavra céltiga galaica ) Galeach ( -Galeg- , do Galaico) ; Celticus ( Latim ), Celtigos ( Galego ) ; Gallecus ( forma latinizada duma palavra céltiga galaica ) , Galego ( no Galego ) ; Calleacia ( Latim, forma latinizada duma palavra céltiga galaica ) , Galiza ( Galego ), ...e como toda a tradição fonética galega testemunha.

Vilas co nome Galegos, em testemunha do culto a deusa-nai dos galegos Cal-leach -galeg- , se acham em toda Galiza : Galegos perto de Ordes, ao sul-leste ; Galegos perto de Chantada ; Galegos perto de Lalim, ao Norte ; Galegos perto de Meira , ao Norte-leste ; Galegos perto de Becerrea , ao Norte-leste; Galegos perto de Baralha, ao Oeste; ...outros evoluidos como Galez.

Os deuses Celtas vinham em trindade, ou três nomes ou propriedades , fertilidade, curandeiro, ... endemais eram uma só pessoa. Testemunham na Galiza da trindade Celta muitos eidos : o monte Sacro Trega - os três bons deuses -. Cortegada - os picos dos três bons deuses - . Trevinca , - os três deuses brancos - . , ... Na defesa desta ideia céltiga da trindade, próprio da Galiza céltiga, ao galego do IV século Prisciliano, costeou-lhe a sua vida. Prisciliano o primeiro mártir galego.

* Trega é evoluído de -tre-gad- , os três bons deuses, onde em goidelico Celta -GA- é -bom- , e -DA- é -deus- .
* Cortegada evoluído de -cor-tre-ga-da- , os picos dos três bons deuses; onde o goidelico -COR- é pico, cabo e -TRE = TE ( evoluído ) - o numero três , como hoje na ilha de Cortegada ala na Ria de Arousa, , ontem achegada a terra pelo Carril, e que tem três ilhas, hoje quatro à maré cheia.
* O cabo Ortegal , também é evoluído de -cOR-TrE-GA-da-aL- , onde se acham os três picos do bom-deus, não tem que ver ca visão oficial de - ortigas - . O cabo Ortegal tem três cregues, três pedras na mar, três picaços. Falando de Cortegada também ha uma vila com esse nome no Sul-Leste da Galiza, e de seguro em muitos mais eidos da Galiza , eu jamais fui ali e agora fico no Canada, mais convencido de que os nossos devanceiros Celtas fazer uma descrição perfeita da natureza, tem que haver na zona três picos, três montes, três petoutos, ou três alguma coisa ... que justifique do nome de origem celta goidélico.
* O nome Riadarousa, como é a pronúncia galega, é um nome também de origem celta , -Ruad-ar-ois-a- que quer dizer -o senhor das corças-; lembrar também a ilha de Rua ...
* Trevinca é evoluído de -tre-vinn-gad- os três deuses brancos, sem duvida em referência à picos com neve.

E nomes de deuses como os da gram deusa dos galegos , Briga :

* Ardobriga , ( hoje Ferrol), - a gram deusa Briga -
* Brigantia , ( hoje a Corunha ), - o eido dos druidas de Briga -
* Artobriga , , - o urso de Briga -
* Nametobriga , ( hoje Trives ), - o santuário de Briga -
* Volobriga , ( hoje O Bolo ) , - o petouto de Briga -
* Brigantes , - os druidas de Briga -
* Lambriga , ( hoje Ponte Vedra ?? ), - a mão de Briga -
* Brigantium , ( hoje Betanços ), - as lumieiras de Briga -
* Turobriga , ( Compostela ??? ), - a torre ou pedrafita de Briga -
* Calubriga , ( A Rua ??? ) , - a feitinha Briga - , ( vila dos Guigurros )
* Adobriga ( no Norte da Galiza ) - a prosperidade de Briga -

Onde, no velho goidélico, a língua comum aos povos céltigos, ARD = gram ; ART = urso ; ANT- = oficiais do culto, druidas ; LAM = a mão ; TAM =TAIN ( -tium , latinizado ) = lume . O termo Vol que se acha em Vol-o-briga, em na língua galaica do goidélico antigo, e não foi transmitida. Se olhar o Gaélico moderno, que bem sabido é uma língua muito evoluída comparada co velho goidélico, pode dar-nos alguma ideia. O termo Gaélico -mol- , ca pronuncia -vol-, quer dizer algo muito grande, e o termo - mol loch - ca pronuncia -volog- quer dizer uma pedra redonda muito grande, um petouto. Este sentido convém muito bem quando se conhece a cultura e a religião druida dos celtas, na ca Natureza e sobornatural são misturados. Na zona de O'Bolo haveria que buscar hoje por uma gram pedra redonda, um petouto, ou uma gram pedrafita, ali estaria o eido da antiga Volobriga. O que confirmaria que Volobriga e bem o petouto de Briga. Do gaelico TUR (tuur) = torre , pilar ; o também pode ser de TUR ( tuor ) = seco, ermo . Do gaelico CAOL ( caol , keil ) = fina, delgada, bonitinha ou também de CALL ( cal , caol ) = ferida , defeito, ou ainda fazer referencia a Caleg a deusa-nai no aspecto da fertilidade. Ad-o-briga , o termo -ad- quer dizer - sorte, prosperiade - ., ainda que tambem -ad- é um prefixo de -muita intensidade-, como poderia ser - a muito Briga-

Tudo isso para dizer que as tribos Celtas, ou os eidos onde ficar, eram muitas vezes conhecidos, os seus nomes, pelos nomes ou as características dos seus deuses e deusas céltigas aqueles adoravam. E esta também era a pratica dos romanos, em toda Europa, de nomear os povos, a Treba, pelo nomes dos deuses que a tribo adorava.

Os romanos dão-lhe aos Celtas o nome da deusa-nai

Galiza só tinha clans céltigos. As tribos Celtas da Galiza se achavam desde Estaca de Vares ate mais ala do Douro , organizados em Trebas , à maneira céltiga. Os romanos que já ficavam na sua província da Hispania ( Espanha ), desde 197 a. C., do tempo da derrota dos cartagineses espanhóis, mais dum século mais tarde quando chegaram a Galiza, o fizeram pelo caminho mais fácil de entrada na Galiza, pelo Sul, o que é hoje Portugal.

A ocupação militar da Galiza pelos romanos não foi ate o ano 19 a C. ( a data que os historiadores galegos dam é mais tarde no 13 a. C. , o que se explica pela posição mais ocidental da Galiza ) depois do tempo no que já Caesar Augusto havia conquistado a derradeira parte da Hispania, a zona do norte de Espanha : os povos dos Astures, Cantabros e Vascones. Ainda que os primeiros contactos dos galegos cos romanos foram em 139 a. C , quando Decimo Junio Brutus travessa o Douro. A sua expedição não foi mais cuma anedota o Lima, o antigo céltigo Belion ( - o gram Bel - , na língua goidélica ), foi o limite mais o norte que chegaram. Só mais de um século mais tarde os romanos chegam a Galiza para quitar-lhe o seu ouro e metais ... todo pela gloria do império romano.

Numa pena perto do rio Minho, onde se deduz-se segundo os escritos do historiador galego do século IV Orosio que se achava o Castro do monte Medulo, o castro duma Treba importante dos celtas-galegos, esta escrito SIG ENATA PACATA - vencida e pacificada - aos arredores do 13 a. C. , ( cf. O historiador galego André Pena ) e faz referencia a batalha do monte Medulo na que por primeira vez os galegos, uma Treba céltiga, fazem faça a impressionante maquina de guerra romana. A derrota do monte Medulo não foi mais que o começo da penetração dos romanos em território galego, muito facilitado pela organização em Trebas dos celtas. Ainda assim levou-lhe anos, séculos, penetrar as terras galegas de difícil acesso , limitando-se só aos eidos ricos em minerais, muitos lares galegos jamais viram os pés dos militares romanos. Em realidade foi uma ocupação militar muito limitada.

A primeira tribo Celta que acharam as legiões romanas depois de atravessar o Douro , e que ficava na zona hoje do Porto, foi o povo dos adoradores da - deusa-nai- DANA , conhecida também pela -mulher-velha-a mulher dos farrapos- na tradução literal do nome goidélico Celta de -Cal-leach- , com pronúncia -gal-leg- , o que latinizarão dou como nome do povo os -Cal-laec-i- é dizer - o povo dos adoradores de Cal-leach- a deusa-nai dos Celtas, e que é a latinizarão duma verba celtiga. Em Sobreira, perto do Porto se acha a proba do nome galaico da deusa-nai, que na sua forma latinizarão é Calaic-ia.

O geógrafo Mela, de possível origem celta-galego, que recorreu toda Galiza de alem Douro ate Estaca de Vares e nos deixou os nomes céltigos das diferentes tribos que moravam no litoral da Galiza, Presamarcos ( em goidelico celta -o povo dos cavalos das branhas- , no Barbança ) , Artabros ( em goidelico celta - o povo dos ursos-, na zona de Malpica ) , Brigantes ( em goidelico celta - os druidas de Briga-, na zona da Corunha ), … Mela conta que numa ilha, quele nomeia SENA , mas que não diz onde fica, fala que nesta ilha moravam nove antas chamadas GALIZENAS e que pelo nome que dá-lhe deveriam ser druidas do culto a Caleg, a deusa-nai. Segundo Mela estas antas eram nove virgens que tinham poderes magicas, como todas as antas galegas, e eram capáveis de provocar tempestades, tinham poder para transformar em animais e naturalmente, o trabalho das antas, podiam predizer o porvir endemais de curar os enfermos. Os historiadores franceses gostam de colocar esta ilha na costa bretona, na hoje Enez Sun, que leva também o nome de ilha Sein. O nome de sen-a ( no goidelico sen = fala da velha mulher ) , parece confirmar, como tamem o radical GAL em Galizenas, quem qualquer caso, sejam os celtas galegos ou seus irmãos da Galia, Mela nos fala do culto a deusa-nai e dos poderes das druidas de Caleg.

Da costume romana de nomear aos povos pelo nome dos seus deuses, toda a Europa testemunha. O som da letra -c- é a interpretação da pronúncia pelos romanos , ca sua fonética de língua latina. No antigo goidélico galego, como ainda hoje nas modernas línguas Celtas goidélicas é um som forte que pela forca da pronúncia local é um -g- , sempre foi , como a tradição fonética galega testemunha, o que deu primeiro o nome Cal-leac-ia para os romanos, e mais tarde Gal-laec-ia , pela força da pronúncia para as terras povoadas pelas tribos celtas, ao norte do Douro.

<< Fluvius Dourus dividens ... Gallaecia et Lusitania ...>> (Julius Honorius).

Havia algumas tribos céltigas isoladas fora da Galiza, entre o Douro e o Mondego, ainda que estas estavam misturadas cuma povoação de sustratro ibero.

No gaélico irlandês e da Escoça de hoje é ainda - Cailleac- e -Cailleach - : - a velhinha - , - a mulher velha -, - a mulher dos farrapos-. O nome de Calleach ou o nome de Gallaecia que foi a forma romana, a latinizarão do nome celto-galaico da deusa-nai, o duplo -ll- não é, jamais foi o som do duplo -lh- senão duas letras - l - , separadas. A escrita dos romanos Gallaecia e gallaecus sempre foi para os galegos Galeça , vido Galiza na época soava , e galego. Como ainda hoje é e tem que continuar a sê-lo para todos os galegos, nomes que vêm da deusa-nai dos Celtas.

Os romanos já haver deparar cos Celtas tempo ha, séculos antes de vir a Galiza. A deusa-nai -Cal-leach- é uma deusa Céltiga, a mais importante, achar-se em todos os povos Celtas, faz parte da tradição comum. É uma deusa muito importante na mitologia céltiga, a mulher do deus Lugo, a nai do deus GADA que será o pai , - o velho pai- como o outro nome que tem , em goidelico celta, All-athair , quer dizer. O deus velho-pai , GA-DA , é - o bom deus - literalmente, como também no gaélico irlandês GAB-DA , e o DAD-D dos celtas britônicos quer dizer.



Num epígrafe galego se acham referencias a este nome : DOMOLUCOCADIACO que se descomponde : domo-luco-cad-iaco. Este é um nome dum castro galego na sua forma latinizada que faria referencia o mais provável a um deus, como o seu eido, a sua casa (domo ). O nome de gad-a como também o nome latinizado do deus Lugo, tão importante para os Celtas, aparecem não inscrição. Assim uma tradução no contexto dos celtas galegos seria :: este é o eido do bom deus Lugo, e faria referencia ao castro capital da Treba onde o deus morava.

Eles, os romanos, já haviam encontrado este nome, este nome comum dos povos céltigos, desta deusa importante dos Celtas , a deusa-nai, que havia-lhe servido também a nomear os povos Celtas, os Galli, os Galos, os Gaeles, os Galegos ... todos povos da deusa-nai, e aqui achar a origem da raiz latina -gal- para nomear aos Celtas.

Ao mais norte que os romanos chegarem na Europa, na zona hoje dos Carpatos, acharem uma tribo céltiga adoradores da deusa-nai, de Calleach. E derem-lhe o nome da deusa, ca sua pronúncia, chamaram-lhe - Caleg- ou -Kalix- ( ca pronuncia de -e- fechada ) e hoje esta vila ainda existe sobor o mesmo nome e que Ptolomeu já havia falado dela no século II d.C, e que é a vila mais antiga da Polonia. É a vila de KALISZ ca escrita de hoje e que dou nome a outra terra, espalhada nos Carpatos ainda que hoje leva o nome a zona que fica na Polonia, que leva o mesmo nome que Galiza , a Galicja polonesa. Ontem ficava numa zona mais grande dos Carpatos de onde os Celtas moravam e da que emigrarem, a povoação de hoje não é a mesma, só o velho nome fica.

Nomes da deusa-nai dos Celtas : Kalig , Calaic, Caleach, Caileach, ... Galeg , testemunham da origem comum dos povos céltigos da Europa.

Orosio fala no século IV, diz : uma virgem certa luz que deus quando quer dar a chuva aos homens, amossa ao príncipe da humanidade - que é o deus do monte- o gram deus- e este ao querer colhe-la, a sua suor faz a chuva, e como não a alcança, cos seus berros faz o trono,

Decimo Junio Brutus , o general romano que venceu aos Cal-leac-i do Porto, aos galegos, e recebeu disso o sobrenome de Gal-laic-us , -galaico-, como a história nos conta. Os Celtas da Galiza viram a ser os -galaicos- para os romanos, e galeg-os entre eles mesmos, para o povo , de -galeg- que é a pronúncia -cal-leach- que tinham da deusa-nai. O termo -os- vêm do goidelico -oes- que quer dizer ,- gente de -, - filhos de -. Assim, GALEGOS, são os filhos da deusa-nai dos celtas goidélicos da Galiza.

Ha muitos eidos na Galiza que levam o nome de Galegos , são todos eidos onde o culto a deusa-nai, a Cal-leach, era prioritário.

O nome desta terra, a mais ocidental do continente europeio, da Estaca de Vares na Galiza do Norte ate ó Douro na Galiza meridional, - Galiza - , e o nome de - Galegos - que os galegos levam, lembram duas coisas : que os primeiros devanceiros históricos dos Galegos foram os Celtas e que do mesmo facto esta terra, Galiza, é a terra dos galegos, - dos filhos da deusa-nai dos celtas, Cal-leach-.

Anonymous said...

christ, the last one was brief, wasn't he? another one of those. poor deluded lusistas. un toshista de carallo...

Anonymous said...

from Mike the trike Hey I have 3 dictionaries here and can't keep up with these Galego expressions which don't show up in the books. What is the nearest thing in English to toshista?